Un pisci rintr’a to panza Lyrics Pt

Un pisci rintr’a to panza

 

Mamma, haju una fudda

Ri pisci rintra ‘a tiesta

‘A luna s’astutò

Mamma m’addumi tu?

 

A ghiriminni haj’ statu

Sempri ‘u cchiù vinciusu

Sugnu accussì ma ‘sta cunnanna ‘a sai

‘A sai ru’ voti

 

Quann’eri nica e

Ghiucavi a fare ‘a mamma

N’aspittavi rui, quattru o tri

Ri masculiddi?

 

Quannu ‘a matina è acqua

Prima ca mi sveglio

Sentu una manu in capu all’occhi

Mamma, cu pò essere?

 

‘U tiempu si squagghia

 

E tornu a natari,

Un pisci rintr’a to panza

Ju e tu, tutta una cosa

Ci pienzi, mamma?

 

Quann’eri nica e

Ghiucavi a fare a mamma

Ju nun ci criu ca ‘un l’addisiasti mai

Una fimminiedda

 

Quannu ‘a matina è acqua

E ancora nun mi sveglio

Sientu ‘a carizza ri ‘dda figghia ca

‘Un t’ha nasciutu mai

 

‘Na frieve m’annagghia e mi squagghia

 

Natamu a miliuna, ‘na fudda ‘i pisci rintr’a’ to panza

Di poi s’adduma ‘na luna

 

Ormai nuotu sulu, ‘sta luna s’agghiuttìu sulu a mia

M’attigghia anticchia ‘a pinzata

Ri ‘un aviri a nasciri mai

Ri ‘un aviri a soffriri mai

Ri ‘un aviri a fariti soffriri mai

Ri ‘un aviri a moriri mai

Un pisci rintr’a to panza

 

Mãe, eu tenho um monte

De peixes na cabeça

A lua se apagou

Mãe acende pra mim?

 

Eu sempre fui o mais teimoso

Em ir embora

Eu sou assim, essa condena você sabe

E soube duas vezes

 

Quando era filha

e brincava de ser mãe

Você esperava dois, ou quatro, ou três

Menininhos?

 

Quando a manhã é orvalho

E não estou desperto

Sinto uma mão cobrindo os olhos

Mãe, quem pode ser?

 

O tempo se esvai

 

E volto a nadar

Um peixe na tua pança

Eu e você, uma coisa só

Já pensou, mamãe?

 

Tão pequenina

e brincava de ser mãe

Duvido que não desejou demais

Uma menininha

 

Quando a manhã é orvalho

Antes que eu me desperte

Sinto a carícia da tua filha que

Não nasceu jamais

 

A febre me invade e me arrasa

 

Nadamos uns dez milhões são tantos peixes dentro da pança

Depois, uma lua se acenderá

 

Talvez agora eu nade só, só eu fui engolido pela lua

Me instiga o pensamento

De não ter nascido jamais

De não dever sofrer nunca mais

De não te fazer padecer jamais

De não ter que morrer jamais